Páginas

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Mimando a gatinha!

Depois de tanta tristeza e coração na mão enfim a calmaria, ontem retornamos ao PS, a gatinha com quase 40 °C de febre e gemendo de dor, falando entre nós, alergia? Fala sério, não é só o quadro alérgico que minha princesa teve, o que é então? Mais uma vez fui lesada por negligência médica, não vamos nos enganar com a simpatia dos médicos, o que eu quero ver é profissionalismo, como todos vocês sabem no Sábado eu e meu marido levamos a Gabi no PS e lá a pediatra disse que era alergia, não tinha a garganta inflamada, não tinha o ouvido infeccionado, graças a Deus, falou que a febre iria persistir durante 3 dias, gente é muito triste ver o nosso filho doente e não saber o que fazer, pois bem, se passaram 5 dias de febre alta e nada de melhora, a minha princesa nem parecia aquela menininha bagunceira, comunicativa que colocava a nossa casa de cabeça para baixo, estava enjoada, só queria o meu colo, comer nem pensar, só queria mamar nos seios, que estão super doloridos e formaram até bolhas, mamãe sofre...
Dessa vez já fui preparada pra falar um monte, cheguei por volta das 17: 30 passamos pela enfermaria, mediram a temperatura, que estava 38,5 °C, como eu já fui reclamando, imediatamente medicaram com a 10 gotas de dipirona, esperamos a médica chamar, enquanto isso a Gabi só gemendo e chorando de dor, encontrei até uma benzedeira por lá, de tanta dó da minha princesa fez uma oração lá mesmo, eu sou católica mas acredito na fé de cada um, Deus é um só! A senhora benzedeira disse que ela estava com o bucho virado, eu não sei o que significa, logo a médica nos chamou, eu falei o q tinha acontecido no Sábado e ela pediu exames, até que enfim! Hemograma, urina e raio X. Que dó que eu fiquei da minha gatinha, tirou sangue, mais chorei eu do que ela, xixi só depois de 3 hs quando o papai e o vovô Paulo chegaram, demorou muito, ela estava insegura aquele plástico deve incomodar D+, o Raio X eu estava morrendo de medo da minha gatinha  fazer, pensei até que eu precisasse usar uma proteção para ficar com ela lá dentro, pelo menos não fui informada, foi difícil pra caramba, como eu estava sozinha com ela ficou complicado segura-la, precisei me transformar em uma mãe polvo.
Enfim a Gabi está com infecção urinaria forte e um pouco de anemia, quase arranquei os cabelos, como? A Gabi come super bem, sempre dou bastante liquido para ela beber, o que fazer? A pediatra passou um antibiótico para a infecção (Cefalexina) e nada para a anemia, segundo a médica a anemia é leve e foi desencadeada pela própria infecção e por ela ter ficado sem comer durante esses 5 dias, e para completar a princesa está com resfriado também, tempo maluco em Sampa e com tudo isso, estou mimando a minha gatinha.
Fiquem atentos!!!!





Bebês podem ter infecção urinária? (Baby Center)
Sim. O nome mais específico é infecção no trato urinário, sistema composto pelos seguintes órgãos: 
- os rins, que fabricam a urina 
- os ureteres, que levam a urina dos rins até a bexiga 
- a bexiga, que armazena a urina enquanto ela não é eliminada 
- a uretra, que leva a urina da bexiga até o orifício por onde o xixi sai 

Em condições normais, a urina segue esse caminho sem problemas, mas, quando se contamina por bactérias -- que costumam vir da pele em torno dos órgãos genitais, do ânus ou pelo sangue --, pode provocar inflamação e infecção em qualquer ponto do percurso. Cerca de 8 por cento das meninas e 2 por cento dos meninos sofrem pelo menos uma infecção no trato urinário ao longo da infância. 

Procure o médico se desconfiar que há algo errado. As infecções urinárias são fáceis de tratar, mas se não forem debeladas podem causar danos permanentes aos rins, e até mesmo insuficiência renal. De acordo com especialistas, em crianças de até 2 anos a probabilidade de sofrer sequelas graves é maior que em crianças mais velhas, por isso é importante diagnosticar o problema o quanto antes. 

Como vou saber se meu filho está com a infecção? 

Muitas vezes, uma febre inexplicável é o único sinal da infecção. Cerca de 5 por cento das crianças até 3 anos com febre e sem nenhum outro sintoma estão com infecção no trato urinário. Como os sintomas são escassos e pouco específicos, muitos bebês acabam nem sendo diagnosticados. 

Em alguns casos, as crianças podem apresentar outros sintomas -- acompanhados ou não de febre --, como: 

• Choro ou reclamação na hora de fazer xixi (um jeito de saber se a criança está fazendo xixi naquele exato momento é colocando a mão sobre a fralda. Dá para sentir o quente da urina enchendo a fralda). 
• Urina com cheiro ruim 
• Urina opaca, turva ou com sangue 
• Irritabilidade persistente, sem explicação 
• Vômitos 
• Falta de apetite 
• Emagrecimento ou dificuldade para ganhar peso 

Como a doença é diagnosticada? 

O médico vai fazer perguntas sobre os sintomas que você está percebendo, e vai examinar o bebê. Talvez pergunte se há casos de infecções urinárias frequentes na família, já que o problema pode ser hereditário. 

Caso o pediatra desconfie de uma infecção no trato urinário, vai pedir um exame de urina, para tentar detectar a presença de bactérias. O resultado é rápido para saber se se trata ou não de infecção: a presença de um número elevado de glóbulos brancos, em geral, é um forte indício de infecção urinária causada por bactérias, e essa resposta sai no mesmo dia. 

Depois disso, a mesma amostra de urina normalmente é mantida no laboratório para o exame de urocultura, que tenta identificar exatamente a bactéria responsável pela infecção, e para o antibiograma, que testa a eficácia de diferentes antibióticos contra a bactéria identificada. 

Como vou conseguir fazer exame de urina em um bebê? 

É bem difícil colher uma amostra estéril de urina de um bebê, que não esteja contaminada pelas bactérias presentes na pele, no bumbum e no cocô. 

O método mais comum de fazer o exame é grudar uma espécie de saco plástico, com adesivos e um buraco, em torno da vagina ou do pênis do bebê, depois de uma boa limpeza da área. Nem sempre a estratégia funciona da primeira vez. Siga as orientações do hospital ou do laboratório. 

Provavelmente a coleta terá de ser feita no próprio hospital ou laboratório, e não em casa, e você vai ter de ficar esperando o xixi aparecer -- reserve um bom tempo para a "operação exame". Procure oferecer líquidos para a criança antes da coleta para tentar diminuir o tempo de espera pelo xixi. 

Em casos especiais, é necessário obter a amostra com um cateter -- um caninho flexível colocado na uretra do bebê para retirar a urina diretamente da bexiga. Apesar de desconfortável (o bebê provavelmente vai chorar), o exame é seguro e rápido: leva menos de um minuto. 

Além do exame de urina, há outros? 

Pode ser que o médico peça outros exames. Existem algumas alterações no trato urinário que podem facilitar a ocorrência de infecções urinárias, e um deles é o refluxo vésico-ureteral, situação em que a urina da bexiga volta para os rins. Os exames extras servem para verificar se há algum problema desse tipo. Entre 30 e 40 por cento dos bebês que apresentam infecção urinária têm o refluxo. 

Entre os exames que podem ser pedidos estão o ultra-som e uma série de radiografias para detectar o refluxo. 

Qual é o tratamento? 

O tratamento da infecção é feito com antibióticos, na maioria das vezes por boca, por até duas semanas. O ideal é que o antibiótico seja escolhido com base no resultado da cultura de urina e do antibiograma, mas às vezes os médicos já receitam um antibiótico chamado de "amplo espectro" antes mesmo de saber o resultado, para que o efeito seja mais rápido, e depois de identificada a bactéria ajustam a medicação. 

Ainda que a criança pareça ter melhorado depois de alguns dias, é importante dar o remédio até o último dia, conforme a receita do médico, para que a infecção não volte ainda mais forte. 

Se a criança estiver debilitada, pode precisar ser internada para receber o remédio pela veia. Quando a infecção acontece em bebês de menos de 1 mês, a hospitalização é praxe. 

E se meu filho tiver um problema mais sério? 

Caso o bebê esteja com uma obstrução no trato urinário, pode ser necessária uma cirurgia. Em alguns casos, a operação também é realizada para corrigir o refluxo vésico-ureteral, embora na grande maioria deles o problema vá embora sozinho até a criança ter 6 anos. 

Quando é diagnosticado o refluxo, às vezes os médicos receitam antibióticos em doses pequenas para ser usados a longo prazo, para evitar infecções frequentes e eventuais sequelas nos rins. 

Há algo que eu possa fazer para evitar as infecções? 

Certas crianças têm mesmo uma tendência a sofrer de infecções no trato urinário, mas há algumas medidas que você pode tomar para reduzir o risco: 

• Dê muito líquido ao seu filho. Além de manter o trato urinário em constante atividade, os líquidos ajudam a evitar a prisão de ventre, que pode colaborar para que haja infecções. 

• Também para evitar a prisão de ventre, ofereça bastante fibra ao bebê, como frutas, verduras e grãos integrais, quando ele já estiver comendo outros alimentos além do leite. 

• Se você está amamentando, mantenha o aleitamento até o bebê ter no mínimo 7 meses. Estudos já mostraram que o leite materno até essa fase protege contra infecções urinárias, e a proteção se mantém até a criança ter mais de 2 anos, mesmo que não mame mais no peito. 

• No caso de meninas, não use muito sabonete na água do banho, para não irritar a região vaginal. E sempre limpe a área da frente para trás, quando estiver trocando a fralda, para não levar bactérias do bumbum para a vagina. 


Anemia em crianças: Ministério da Saúde revela que 20% delas têm deficiência de ferro

Outros dados da pesquisa mostram que deficiência de vitamina A atinge cerca de 17% das crianças e também merece atenção

Ana Paula Pontes

  Uma pesquisa inédita realizada pelo Ministério da Saúde  revelou que a anemia afeta mais de 20% das crianças no país, e cerca de 17% têm deficiência de vitamina A. O estudo foi feito com crianças menores de 5 anos e mulheres entre 15 e 49 anos.

 Para verificar a incidência de anemia no país, foram coletadas  3.455 amostras de sangue de crianças e 5.669 de mulheres. Segundo dados, a insuficiência de ferro é mais grave no Nordeste, onde atinge 25,5% das crianças e 40% das mulheres. 

Em relação à carência de vitamina A nas crianças, as regiões Sudeste e Nordeste têm os números mais preocupantes, de 21,6% e 19%, respectivamente. 

Segundo o Ministério, essas duas deficiências são de maior ocorrência no mundo, e podem reduzir a imunidade a infecções, além de problemas de desenvolvimentocognitivo e psicológico. O objetivo dessa análise é ampliar programas de prevenção. 


A anemia infantil no mundo 

Um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde, entre 1993 e 2005, divulgado no fim do ano passado, mostrou que a prevalência mundial de anemia em crianças entre 0 e 5 anos é de 47,4%. O número também é alto para as gestantes. Cerca de 41,8% das grávidas têm deficiência de ferro. 

De acordo com uma pesquisa realizada pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo, a prematuridade (a reserva de estoque de ferro acontece no último trimestre da gestação), o baixo peso ao nascer e o abandono precoce do aleitamento materno estão entre as causas mais comuns para a deficiência de ferro em crianças. O problema também se agrava na primeira infância, quando o leite materno é substituído por outros alimentos pobres em ferro. 



Evitando a anemia infantil

Cuidados para equilibrar a dieta evitam a anemia nas crianças
Redação Crescer
O segundo ano de vida do bebê é muito importante para a adoção de hábitos alimentares corretos, pois é quando deve acontecer a troca definitiva das mamadeiras e papas por comida sólida. Mas, como essa é uma fase de transição alimentar, os desequilíbrios ocorrem e não são raros nesse período os casos de anemia, causada pela falta de ferro. "A dieta mais comum das crianças, à base de leite e carboidratos presentes nas massas e biscoitos, é pobre em ferro", diz o pediatra Cláudio Schvartsman, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Alojado na hemoglobina (pigmento do glóbulo vermelho do sangue), o ferro é responsável pelo transporte de oxigênio para os tecidos, e sua carência provoca cansaço, apatia e palidez. Essa anemia, que não se origina na falta de alimento e sim no desequilíbrio da dieta, é geralmente moderada, mas tem conseqüências. "Ela não é facilmente percebida nem mesmo pelos pediatras, mas estudos mostram que ela afeta o desenvolvimento, e a criança fica mais lenta nas respostas aos estímulos psicomotores", explica o pediatra José Augusto Taddei, professor de Nutrologia, na Universidade Federal de São Paulo. 


Absorção difícil 
A falta de ferro é freqüente também porque ele não é facilmente absorvido pelo organismo. As carnes (bovina, suína, de frango e de peixe) são sua melhor fonte, pois fornecem o ferro orgânico, ou heme, de assimilação mais fácil. "Por isso os pais devem insistir com os filhos que recusam carne. Estudos evidenciam que as crianças costumam aceitar novos alimentos somente entre a quinta e a décima vez em que são oferecidos", diz Schvartsman. Já os vegetais de cor verde- escura, como couve e brócolis, contêm ferro não-orgânico, de absorção mais difícil. Para facilitar a assimilação, as verduras devem ser consumidas junto com Vitamina C, na forma de sucos de frutas como laranja, limão, acerola, etc. 

Os médicos recomendam ainda adotar o leite enriquecido com ferro, já existente no mercado, assim como bolachas, iogurte, cereais. Casos mais específicos de falta de ferro exigem complementação com remédios, orientada pelo especialista.

E um velho hábito doméstico também ajuda: cozinhar em panela de ferro. O mineral adere ao alimento. Mas é preciso fazer corretamente a queima da panela (fervê-la cheia de água por três vezes e depois aquecê-la besuntada com óleo) e evitar a ferrugem, que é tóxica. 


Portal R7. com
A polícia investiga a morte de uma criança de um ano de idade em uma clínica particular do Méier, zona norte do Rio de Janeiro. Segundo a família, o bebê deu entrada com uma gripe, e no dia seguinte morreu de pneumonia.

A família informou que João Gabriel de Oliveira Silva adoeceu após passar uma semana sem vontade de comer. O menino foi levado para uma clínica particular, onde foi atendido pelo médico de plantão, que liberou a criança. A receita médica mostra que o médico prescreveu remédios para resfriado. No dia seguinte o menino foi levado novamente à clínica e uma outra equipe diagnosticou que o bebê estava com pneumonia. O garoto teve uma parada cardiorrespiratória. Os médicos tentaram reanimá-lo, mas o bebê acabou morrendo.

A assessoria de imprensa da clínica diz que apura a morte do bebê.


De olhos bem abertos, eu estou e você?

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Gatinha Dodói parte II + Selinhos

Oi gente, obrigada pelo carinho, ainda bem que tenho vocês para me ajudarem. O final de semana foi triste, a gatinha continua caidinha, no Sábado tive que ir ao dentista e deixei os meus pequenos com a titia, a Gabi amanheceu fervendo em febre, quando cheguei a minha cunhada já tinha dado banho nos dois e disse que a Gabi não quis a mamadeira de leite, estava enjoadinha, só queria mamar no peito, que ficaram até assados de tanto que ela chupa com força, ela quer só o colinho da mamãe. Que dó! Estava com os olhos fundos, caidinhos e gemendo como se estivesse com muita dor, dei o paracetamol, não aguentei vê-la sofrendo e meu marido e eu resolvemos leva-la ao PS. Fomos ao hospital pertinho de casa mas batemos com a cara na porta, não estava mais atendendo crianças então fomos na casa da minha mãe e ligamos para o convênio e nos indicou um hospital mais próximo de casa, lá em São Caetano do Sul é pertinho também, o atendimento de lá foi melhor do que o esperado, a pediatra disse que a Gabi estava com a garganta um pouco vermelha mas a febre não era da garganta, nem do ouvido, nem dos dentinhos, adivinhem da onde vinha essa febre? De uma picadinha que ela levou nas costas, na Sexta - feira a picadinha estava bem pequena e no Sábado parecia um caroço de azeitona, tinha até formado uma casquinha que se parece a mel ressecado, nos assustamos em ver, era alergia, poderia ser picada de formiga ou até mesmo de aranha. Que susto!
A picada infeccionou devido a bactérias que entrou no local, na hora da mordida ou depois, devido as coçadas, o chamado impetigo.
A pediatra passou uma pomada para passar na picada uma vez ao dia  e o antiálergico, Hixizini para tomar de 12 em 12 hs e o paracetamol de 8 em 8 hs.
Hoje ela ainda está com febre e caidinha, teve vômitos, mas se não melhorar até amanhã volto ao PS, porque a febre só é normal até 3 dias passando disso já é perigoso ainda mais febre alta, medi agora pouco e está com 39.5 °C, estou um pouco assustada.


No Sábado, mamãe fez bolo para comemorar os meus 14 meses

Dodói no colinho do papai




 Selinho que ganhei da minha amiga Andréa do blog da Lara:
Ameiii!!!

Este ganhei da amiga Sandra do blog meus impulsos http://meusimpulsos.blogspot.com.br/

Obrigada pelo carinho amigas e quem quiser pode pegar, pq todos que fazem parte do meu mundo merece!

Como agir em caso de reação alérgica grave 
           (segundo pesquisas no google)

Em casos raros, pode haver uma grave reação alérgica a picadas de determinados tipos de insetos é chamado de reação anafilática que pode até mesmo ser fatal.
Sinais de alerta.


Chiadeira no peito


Lábios, língua e interior da boca inchados. O inchaço da garganta pode dificultar a respiração


Coração acelerado


Pele fria e úmida


Desmaio


Enjoou e Vômitos


Se a criança estiver com a maioria destes sintomas  igual a minha princesinha procure logo um pediatra ou alergista








  

sábado, 23 de junho de 2012

Gatinha Dodói

Que dó gente, a minha gatinha não está muito boazinha e isso me dá um aperto tão grande no peito, dá vontade de deixar ela sempre no colinho, com esse tempo tão friozinho, chuvoso e ventanoso, não poderia terminar em outra coisa a não ser bebê dodoi. Faz dois dias que a gatinha não come direito, pensei que fosse mais dentinhos á vista mas me enganei, agora a noite começou a coriza e senti que está com um bafinho, com certeza é garganta inflamada, está com 38 °C de febre, dei paracetamol logo, logo a febre baixa estou de olho, sou uma mamãe que só levo meus filhos no hospital em último caso ou em consultas mensais ao pediatra, sou uma mãe quase naturalista, acredito nos remedinhos da vovó e graças a Deus, meus filhos nunca ficaram doentes de precisar de antibióticos, pra falar a real eu morro de medo desses médicos incompetentes que estão a nossa volta, trocando de assunto a princesinha está tão manhosinha um dengo que só. 
Hoje fomos na casa da vovó e do vovô, não fomos ontem porque estava chovendo, comprei a roupinha de caipira dela para irmos a festa junina, isso se a gatinha melhorar.
Esses dias não estou conseguindo postar imagens, não sei qual é o problema espero que se resolva, pois não posso deixar de colocar as fotinhas das minhas riquezas e postar o selinho lindo que ganhei da amiga Andrea Charan.

Bjinhus gente até o proximo post

quinta-feira, 21 de junho de 2012

14 meses da princesa

A minha princesinha completa seus 14 meses,  passou tão rápido, o melhor é que eu estou curtindo cada minuto, cada segundo, do desenvolvimento da minha gatinha e isso não tem preço.
A gatinha está aprontando todas, agora começou a me responder, o que? É verdade, ela sabe quando a mamãe aqui está brigando e saí toda irritadinha resmungando, aprendeu com o irmãozinho kkk, não me aguento, morro de rir,  escondidinho é claro, já pensou, dois filhotes geniosos, igual a mamãe, ninguém merece... Coitadinho do papai.


A Gabi ainda não fala papai e mamãe certinho só fala papa e mama, papai está ansioso para ela falar papai primeiro kkk vai pensando.
Quer comer sozinha, está super independente, anda e corre para todos os lados, desce e sobe na cama ou no sofá, quer usar as coisas da mamãe, já flagrei a gatinha colocando o meu sapato, os meus acessórios e ainda sai desfilando kkk amoo, adora espelho, vai ser super vaidosa, sente ciumes do irmãozinho, quer colinho só para ela, é boazinha mas as vezes uma pentelha, pede tete (leite), pede papa (almoço ou jantar), brinca de esconder, fala che no lugar de achou, fala não para as coisas que não lhe agradão, fala muito mas na maioria das vezes não entendo nada kkk, quer comer sozinha, mamãe as vezes deixa, adora verduras, legumes, frutas então, nem se fala, ama todas principalmente melancia, apaixonada por chocolate, pura vibração, detesta as bonecas, prefere os carrinhos e a bola do irmãozinho, ama música até canta (Eu quero tchu, eu quero tcha..., Aí se eu te pego...) morro de rir.
  Cachinhos dourados da mamãe, parabéns pelos seus 14 meses de vida, que Deus te de muitos anos de vida e que você traga muito orgulho para essa mamãe babona.
Te amamos de montão minha mocinha!







Super interessante, pesquisando na net encontrei essa matéria, muito boa.



Projeto de Lei prevê acompanhamento de crianças de 0 a 3 anos em casa e na escola (Crescer - Notícia)



Um grupo de parlamentares de diferentes partidos apresenta nesta quinta (21) e sexta-feira (22) algumas das propostas para o projeto de lei para a Primeira Infância no Brasil, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. O projeto deve ser apresentado no início de 2013 e servirá como um marco legal para o desenvolvimento de crianças de 0 a 3 anos.

Entre as propostas está a criação de um fundo especial que permitirá a concretização de um sistema de acompanhamento dessas crianças feito por profissionais treinados - os visitadores. Além disso, o desenvolvimento de uma estrutura de pesquisas científicas com foco na primeira infância no Brasil é outro dos principais pontos a serem discutidos.

CRESCER conversou com exclusividade com o deputado Osmar Terra (PMDB), coordenador do trabalho, para saber um pouco mais sobre essas sugestões. Terra esteve com os parlamentares envolvidos na primeira etapa do Programa de Liderança Executiva em Desenvolvimento da Primeira Infância, nos Estados Unidos, promovido pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV), o Centro de Desenvolvimento Infantil, da Universidade de Harvard e a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC RS), em março deste ano.

CRESCER: Por que um projeto de lei específico para a Primeira Infância? O programa Brasil Carinhoso lançado pelo Governo Federal no mês passado não atende essas crianças? (O Programa Brasil Carinhoso, entre outras estratégias, pretende ampliar o Bolsa Família para famílias com crianças de até 7 anos e aumentar o número de creches para fortalecer a educação) OSMAR TERRA: Atende sim, mas é um programa de base, de estímulo às vagas nas escolas para crianças pequenas. O governo se preocupa mais com as crianças a partir dos 4 anos. No entanto, sabemos que a principal fase de desenvolvimento é desde o útero até os 3 anos. Para trabalhar melhor, temos que ter descobertas científicas e gerar a demanda de recursos humanos que não existe hoje. Queremos fazer um documento de responsabilidades para a primeira infância com a participação não só do governo, mas também da família e da comunidade. Todos devem ter essa fase da vida como prioridade.

C: E quais serão os pontos principais desse documento? 
O.T.:
 Saúde, educação e assistência social. Para direcionar a construção de um novo marco, temos que dar atenção à educação. E é lá, no início da gravidez, que o trabalho deve começar. Queremos criar um conceito novo de cuidado e acompanhamento com os visitadores, profissionais treinados para lidar com as famílias, visitar as casas e escolas com frequência e medir os indicadores desde à gravidez.

C: E quem serão esses visitadores? 
O.T.:
 Esses profissionais não seriam de nenhuma carreira já existente, a ideia é que eles tenham uma formação multidisciplinar nas três áreas de atuação exigidas. Assim, criamos uma nova carreira voltada para a primeira infância. A pessoa que trabalha com o ensino infantil deve ter o mesmo status de um professor universitário, não pode ser uma coisa menor. Não adianta nada criar mais vagas de medicina nas universidades se não há estímulo aos médicos, por exemplo.

C: Quais as mudanças na prática na vida dessas crianças? 
O.T.:
 Vamos começar com atendimento às crianças mais pobres. Acompanhar as mães desde o início do pré-natal, dando orientações sobre saúde para ela e para o bebê e depois sobre educação. A universalização da pré-escola é um dos pontos de maior atenção. E a criação de brinquedotecas que sejam suficientes para todas as crianças também está prevista.

C: Qual é o maior problema que as crianças enfrentam nessa fase da vida (dos 0 aos 3 anos) no Brasil? 
O.T.:
 A depressão pós-parto que atinge 10% das novas mães. Diferente do Baby Blues, estado de melancolia que é normal até os quatro primeiros dias devido à queda hormonal após o parto, a depressão materna dura um longo período, justamente nos meses em que a criança mais precisa do estímulo materno. A mãe depressiva não faz isso. Ela até cuida do bebê, amamenta, dá banho, troca de roupa, mas não interage, pois está inerte. Acredito que o impacto da depressão materna é o maior problema, pois acontece em um período crítico, quando a criança desenvolve o impulso, o apego, e estabelece as relações de afeto com outra pessoa. Esse desenvolvimento sócio-emocional ocorre até os 18 meses.

C: E como alterar esse quadro e ajudar mãe e bebê? 
O.T.:
 Defendo a tese do acompanhamento domiciliar além da creche, com os visitadores. Em casa é mais fácil detectar os sinais de depressão da mãe e os efeitos na criança.

C: Quando o projeto será apresentado? 
O.T.:
 No início do ano que vem. Teremos ainda um seminário em dezembro com especialistas de todo o mundo para a troca de ideias e experiências em todas as áreas: violência, educação, saúde, entre outras, para, então, redigir o projeto. 
Principais pontos de atenção do Projeto de Lei para a Primeira Infância
- Definição prazos e metas para as políticas públicas, bem como de seus responsáveis;
- Evolução do direito legal ao atendimento;
- Treinamento e capacitação profissional de educadores (inclusão da primeira infância no currículo);
- Instituição da figura do visitador, profissional treinado para acompanhar a criança em casa e na creche, para garantir o tratamento adequado para seu desenvolvimento físico e mental;
- Criação de um Fundo para a primeira infância. 
Principais pontos de atenção do Programa Brasil Carinhoso 

- Ampliação do Bolsa Família para famílias com pelo menos uma criança de até 6 anos e 11 meses;
- Fortalecimento da educação, com aumento do número de vagas nas creches;
- Cuidados adicionais na saúde, com suplementação de vitamina A,  ferro e medicação gratuita contra asma.
Também na TV 

Em parceria com a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, o Canal Futura lança na próxima terça, 26, a série Nota 10 – Primeira Infância. Serão cinco episódios de 30 minutos cada um, que abordarão o desenvolvimento infantil – de 0 a 3 anos – e a influência das experiências ocorridas neste período no cérebro. Os episódios, chamadosPrimeira InfânciaO desenvolvimento no cérebro, A criança ontem e hojeO estabelecimento do vínculoBrincar é coisa séria e Família, vão mostrar a necessidade especial durante esse período.

Nota 10 – Primeira Infância
Quando: a partir de 26 de junho
Às terças-feiras, 15h; quartas, 2h45, e reprises aos sábados, 14h
Duração: 30 min
Classificação indicativa: Livre

terça-feira, 19 de junho de 2012

A Cabeleira do Gú



Oi gente, passando aqui para deixar registrado que hoje exatamente hoje, faz 1 ano que levamos o Gustavo ao cabeleireiro pela primeira vez, foi uma experiência terrível para mim, de tanto o maridão  e a família dele me encherem o saco dizendo "Agora você já tem uma menininha o Gustavo precisa cortar o cabelo, todos estão dizendo que ele parece uma menina", não me conformo, muitas vezes quando passeava com o Gú sempre tinha um que falava, que menininha linda, que raiva! Mesmo eu vestindo o meu garotão como um menino, com cores de menino, as pessoas definem a macheza pelo cabelo, que absurdo! Deixei cortar sob pressão a turma do Corta! Corta!  Me deixou nervosa, fui derrotada e perdi os cachos dos sonhos mas não irei cometer esse erro com a Gabi, ela vai ter os mesmos cachinhos e isso me conforta.


O Gustavo nasceu com o cabelo bem lisinho e escuro, aos 5 meses os fios da frente começaram a ondular e aos 6 meses já estava todo cacheado e dourados, era um charme, não tinha um que não parava para elogiar as madeixas, minha mãe cortou a franjinha antes dele completar um aninho pq atrapalhava a visão e depois disso a minha cunhada virou a cabeleireira oficial, os cabelos que cresciam era liso então começou a pesar, nunca vi tanto cabelo na cachola, liso na raiz e cacheados nas pontas, sonho de consumo de muitos kkk, ele amava puxar os toim - toim, e eu também amava puxar os cachinhos, que mais pareciam uma concha, que dó! Demorei para superar o fim dos cachos só de ver as fotos dá vontade de chorar.
Os cachinhos se foram e fica a saudade!

                       Com menos de um mês de vida 

Com 3 meses, o liso predomina.

Com 5 meses, cachos tímidos.

                    Com quase 6 meses, os cachos tomam conta da cachola.

Cachinhos dourados, com quase 1 ano 


Com 1 ano e 10 meses, lindão da mamãe!


1 ano e 11 meses


Com 2 aninhos recém completados, a franja já quase se rendendo.


2 anos e 5 meses cachos perderam a forma. Que dó!


Com 2 anos e 6 meses, titia cortou ficou liso de vez

Com 2 anos e 7 meses, papai insatisfeito levou ao salão

Que dor no coração ao ver essa cena, fiquei de pernas bambas ao ver cortar as madeixas do meu gatão

Gustavo feliz, mamãe triste e papai no fundo vendo tudo com a gatinha nos braços

Ficou lindo mas eu fiquei com o coração partido.


Convite para a festa de 3 aninhos

Hoje com 3 anos e 7 meses, ninguém encosta nessa cabeleira, só a tia dele e ninguém mais, se não viro uma fera. Amoo cabelos compridos no meu gatinho.










domingo, 17 de junho de 2012

A Volta!

Andei um pouquinho sumida e isso vem se repetindo por alguns dias, meu cantinho vai completar 5 meses e já estou assim, fico um pouco triste porque não tive tempo de escrever as coisas mais importantes e gostosas nessa fase dos meu filhos, mas prometo que vou deixar tudo registrado, a minha cabeça está a mil, dois filhos pequenos não é fácil e fazendo as trufas estão sendo mais cansativos ainda, mas vamos ver quanto tempo vai durar, kkk!
Desculpa gente se não estive visitando com tanta frequência os blogs amigos é que não sobra tempo, mas vai tudo melhorar, prometo!

Meus gatinhos estão cada vez mais lindos e sapecas, neste feriadão curtimos muito com o papai, aproveitamos a chuvinha paulista e o friozinho debaixo das cobertas, amooo! Não fomos passear, somente na quinta feira dia 14 de junho de 2012, fomos ao parque da Independência com a vovó e o vovô, ontem eu fui ao centro da cidade com o maridão, fazer umas comprinhas para os babys, o papai coruja não mede esforços para comprar o que precisa para os filhotes e a mamãe abusa, adoro vestir os meu filhos bem, amo roupas e calçados, acabo esquecendo de comprar coisas para mim e compro para eles, Eh! Mamãe é assim mesmo.


Ah! Já estava esquecendo, o dia dos namorados foi maravilhoso fui presenteada com um lindo box de Dvd do karate kid, amooo! Não dei nada ainda mas vou presentear o meu gato mesmo atrasada kkk.
                              
Sapeca da mamãe

Está numa fase que briga com todo mundo.

Depois de tanto pular na cama enfim  o soninho de ouro! 

 A gatinha do papai, está cada vez mais apegada a ele.


 Adora música e seguindo os passos do irmãozinho!

 Essa semana nos livramos do andador, passamos para o priminho Alessandro que tem 9 meses, eu para me livrar um pouquinho colocava ela no andador e de repente começou a sair sozinha dele. Que susto! Então resolvi dar para não nos causar problemas.

 Cada vez mais linda e sapeca
 Adora um telefone, fala " E aí"! Morro de tanto rir.

 Desce sozinha do sofá!

 Só dorme de barriga pra baixo!






quarta-feira, 6 de junho de 2012

Novidades dos babys

Oi gente, que saudades de vir aqui no meu cantinho, faz apenas uma semana que não venho mas parece uma eternidade, não pensem vocês que desisti desse cantinho, isso nunca. 
Imaginem vocês que alem de cuidar de dois babys, do maridão, da casa, das roupas e da comida, eu me aventurei em fazer trufas para ganhar um dinheirinho extra, agora não consigo nem respirar a sorte é que amo inventar na cozinha.


Gustavo
  
Completou 3 anos e sete meses no dia 31, está cada vez mais inteligente, comunicativo, um contador de histórias, fala muito, fala pelos cotovelos, nem parece a mamãe kkk. Amoo


O gatinho já tem opinião formada em relação a música, imaginem só:
mamãe pagodeira + papai que ama dance e pop = filho roqueiro 


O que?
Isso mesmo o Gustavo é roqueiro não me perguntem o porque, ninguém de casa escuta rock, eu acredito que seja influencia da TV, mas o filho ama, fazer o que? Vamos escutar rock!






O que uma criança de três anos e meio consegue fazer?

Agora você tem casa um contador de histórias, então quanto mais estímulos mais histórias ele terá para contar.

Seu desenvolvimento motor e postural já está totalmente desenvolvido. Não tem nenhuma dificuldade em correr, parar, andar de ré, subir, descer, girar, pular, cair, levantar, pedalar. Consegue se locomover de todos os jeitos. Suas mãos e dedos também são ágeis para desenhar, colorir, manusear objetos delicados.
Nessa idade a criança começa a entender o conceito da escrita e descobre que as palavras de um livro transmitem mensagens. Agora, sua grande curiosidade é descobrir o que está escrito. Ela pede para os pais lerem placas, histórias, fica fascinada pelas letras. Aos poucos, vai conhecendo o alfabeto e pode reconhecer a letra de seu nome.
Com 3 anos e meio o pequeno é bastante tagarela e adora contar histórias sobre lugares que visitou recentemente e coisas que aconteceram no dia. Quando o pai chega em casa, eles contam: “Hoje eu passei no shopping. A mamãe comprou um caminhão vermelho de bombeiro. Vem ver”.
Além da comunicação, sua inteligência está bastante aguçada. Presta atenção em detalhes mais minuciosos como causas e efeitos das coisas. Acha incrível, por exemplo, como surgem as bolhas quando solta ar debaixo d’água. Seu pensamento também está mais lógico e ele consegue separar objetos por grupos e achar seus pares.

Gabriela
Não dá sossego um minuto grita o tempo todo, dança, canta, recusa o colinho da mamãe, nem eu acredito isso tudo pelo gostinho da liberdade está andando muitoo, na verdade correndo no meio da casa e as quedas são inevitáveis, fala mamã, papa e outras palavras, ontem disse papai direitinho mas eu falei para o meu marido que não valeu porque repetimos a palavra e ela não disse novamente kkk o meu marido ficou todo murchinho, ele quer que ela fale papai primeiro só porque o Gustavo falou mamãe, quando começou a falar kkk. A gatinha está cada vez mais apegada ao papai, que fofa! Ama o irmãozinho, briga com ele quando acha que é necessário kkk.


Papai viciou as crianças com o Kinder Ovo, todas as sextas ele compra para os gatinhos dele! Eh! papai coruja.